INSTITUTO JOHN GRAZ

Rua Pedroso Alvarenga, 1177 - Conjunto 11

CEP 04531-012 - São Paulo/SP

Fone: (11) 97771-6695

contato@institutojohngraz.org.br

Mistérios paulistanos

Data: 08/03/2016 - Local: 

FOLHA DE SÃO PAULO

ILUSTRÍSSIMA

Arquivo AbertoMistérios paulistanos

São Paulo, 1996

Luisa Malzoni Strina

(14/12/2014) – republicação

Morei durante 13 anos no edifício Lausanne, na Avenida Higienópolis, obra premiada de Franz Heep, arquiteto alemão que também projetou o edifício Itália e que aqui viveu nos anos 50 e 60.

É um prédio lindo com detalhamento precioso em toda sua execução. Possui um painel de Clóvis Graciano no hall, e a fachada tem um caráter especial pelo uso da cor nos “brises” (seria influência da bandeira da Itália?).

O espaço era ideal para mim, após pequena reforma, na qual procurei manter o máximo possível o projeto original. Mexi apenas na cozinha e nos banheiros, mas um detalhe me passou despercebido na época e me aborreceu por todo o tempo em que lá morei.

.

Na sala havia uma parede divisória de madeira com uma emenda no meio. Durante o verão, o calor estufava a emenda e ela abria como uma ferida.

Arquitetos amigos que me visitavam sugeriam vários remendos que nunca funcionaram: bandagens de gaze, várias camadas de pintura etc.

Nessa mesma época, comecei a comprar móveis de design brasileiro dos anos 1950. Já era feliz proprietária de uma cadeira/trono de Lina Bo Bardi, mas queria muito mais. Eu sabia que John Graz teria circulado muito pelo prédio, e era amigo de vários condôminos. Teria deixado algum rastro?

Fui então à caça de obras ou móveis dele que poderiam estar no prédio. Nada consegui. Ou não estavam à venda, ou a procedência era discutível.

Comprei vários Tenreiros, Zaninis e Sergio Rodrigues em feirinhas e de particulares, mas nunca um Graz.

O tempo passou, os móveis já não cabiam no apartamento e então resolvi trocá-lo por um maior. Ao entregar a chave, disse à nova proprietária: “Sou muito distraída, perco tudo, se você encontrar algum ouro esquecido nas gavetas me avise, por favor”.

Alguns dias depois ela me telefonou dizendo: “Venha ver o ouro que você esqueceu!”.

Quando abri a porta, olhei estarrecida na direção onde ficava a parede de madeira que tanto me incomodava. Ali estava, deslumbrante, um enorme afresco de uma floresta, que ocupava toda a sua extensão; embaixo, do lado direito, uma assinatura. Abaixei-me e li: John Graz.

O único Graz que me pertenceu esteve comigo, escondido atrás da parede de madeira, por 13 anos, e eu o vi somente por meia hora.

P.S.: Ouvi dizer que, no prédio, existe outro painel escondido.

 

LUISA MALZONI STRINA, 71, é galerista em São Paulo há 40 anos. Até 14/2, a galeria Luisa Strina expõe “Eu Represento os Artistas, Revisited”, que reconta sua história.